Tipos de plágio: Definição das 7 formas mais comuns

Toda a gente sabe que fazer batota é mau. Mas isso não impede que alguns o façam.

Mais de metade dos estudantes universitários até admitem fazer batota de alguma forma. Um dos tipos mais comuns de batota é o plágio.

Algumas pessoas podem nem sequer ter consciência de que estão a plagiar o trabalho de alguém.

Talvez estejas a escrever um trabalho de investigação com a ajuda da IAmas mesmo que sigas o que pensas é a utilização ética da IA na escrita, continua a ser assinalado como plágio. O que é que se passa?

Embora seja claro que o plágio é copiar o trabalho de outra pessoa, há coisas mais subtis que não esperas e que também podem ser consideradas plágio.

Está na hora de aprenderes os diferentes tipos de plágio para te manteres consciente do que deves evitar e para teres mais confiança na originalidade dos trabalhos que fazes.

Definição dos 7 tipos mais comuns de plágio

O plágio ocorre quando usas as ideias, palavras ou trabalho de outra pessoa sem lhe dar crédito. Não reconheces devidamente o trabalho original, e pode ser intencional ou não intencional.

Porque é que o plágio é tão prejudicial? A principal razão é que rouba aos criadores originais o reconhecimento que merecem.

Nos piores casos possíveis, isto também pode levar a problemas legais porque viola as leis de direitos de autor e os direitos de propriedade intelectual.

Um dos casos mais populares de plágio é o da Universidade de Harvard. Quase metade de uma turma de 250 alunos era suspeita de fazer batota devido a semelhanças em vários exames.

Esta situação levou à retirada forçada de mais de 70% dos estudantes envolvidos. Isto mostra que mesmo uma das mais prestigiadas instituições de ensino não está imune ao plágio.

Mas para além das consequências académicas, o plágio levanta também algumas preocupações éticas importantes. As pessoas que plagiam traem essencialmente a confiança dos seus leitores, colegas e mentores.

Isto prejudica a sua reputação e até a credibilidade da instituição em que se encontra a longo prazo.

É muito para assimilar, e é ainda mais complicado com o aumento da IA. Por isso, se estás a pensar em utilizar IA na tua admissão à universidadeFaz uma pausa e educa-te primeiro.

O plágio é uma forma de desonestidade intelectual que tem muitos tipos:

1. Plágio completo

Existem diferentes tipos de plágio, mas este é provavelmente o mais comum.

O plágio completo copia completamente o trabalho de outra pessoa e não faz qualquer esforço para reconhecer o criador original. É isso mesmo.

Este é um tipo de plágio que é infame para ensaios, artigos e relatórios inteiros, especialmente feitos nas escolas.

Um exemplo de plágio completo é quando alguém descarrega um trabalho de investigação da Internet e o apresenta como se fosse seu, sem citar a fonte.

O plágio completo é muito semelhante ao roubo de propriedade intelectual porque retira o crédito que o proprietário merece.

As consequências podem ir desde uma nota negativa até à expulsão. No caso mais grave, os empregados que plagiam completamente um trabalho podem ter problemas com a lei se as leis de direitos de autor forem violadas.

2. Plágio direto

Quando alguém copia parágrafos de um artigo já publicado na Internet e os insere à vontade no seu ensaio sem aspas ou citação adequada, isso é plágio direto.

Como o nome indica, o plágio direto copia diretamente o trabalho de alguém, copiando e colando-o no seu trabalho, reivindicando o conteúdo que roubou como seu.

Isto é praticamente o mesmo que plágio completo. Mas a principal diferença é a quantidade copiada.

Enquanto que o plágio direto copia partes específicas do conteúdo de alguém, o plágio completo copia todo o corpo do trabalho.

3. Parafrasear Plágio

Não podes simplesmente parafrasear um texto que encontrares e dás o assunto por encerrado. O plágio parafrástico ocorre quando um escritor se limita a reformular ou reescrever uma ideia que foi originalmente retirada do trabalho de outra pessoa.

Depois, o escritor reivindica a ideia como sendo sua e não dá o devido crédito à fonte.

É importante notar que a principal diferença aqui é que, embora a redação seja diferente, não é suficiente para contar como um trabalho original.

Isto porque a ideia ou o conceito fundamental continua a ser o mesmo da fonte original.

Podes perguntar-te em que é que isto difere de um trabalho original que se baseia na ideia de outra pessoa.

Isto não conta como plágio de paráfrase porque o escritor inspira-se na ideia original (e com crédito) mas acrescenta-lhe a sua própria perspetiva única, resultando numa interpretação completamente diferente do conceito.

Quando te certificas de que traduzes corretamente as ideias para as tuas próprias palavras e reconheces devidamente as tuas fontes, podes evitar o plágio e manter a integridade profissional.

4. Auto-plágio

Faz reutilizar o teu próprio trabalho Consideras plágio? Poucas pessoas têm consciência disso, mas sim, conta.

O auto-plágio ocorre quando um escritor reutiliza o seu próprio trabalho já apresentado ou publicado e não o reconhece.

Isto pode incluir a reciclagem de secções de um trabalho que já enviaste ao teu mentor ou a reutilização de uma apresentação que já fizeste noutro local.

Mas como é que plagiar-te é mau?

O auto-plágio pode afetar a tua credibilidade porque, se os teus clientes reivindicarem um trabalho que apresentaste como sendo deles, descobrir que escreveste o mesmo para um cliente diferente afectará também a sua autoridade.

Quando fazes isto na escola, a justiça da classificação é afetada.

Além disso, haverá uma forte desconfiança entre os alunos e os educadores, o que prejudicará a reputação da instituição.

5. Plágio de retalhos (também conhecido como plágio em mosaico)

O plágio de retalhos, também conhecido como plágio em mosaico, consiste em pegar em ideias ou passagens de várias fontes e juntá-las sem lhes dar crédito.

Esta forma de plágio pode ser difícil de detetar porque as partes que foram plagiadas estão frequentemente muito bem misturadas com o material original do escritor.

Isto torna a deteção do plágio mais difícil a olho nu.

O plágio de retalhos prejudica a integridade da escrita académica e profissional ao induzir os leitores em erro sobre a verdadeira fonte da informação fornecida.

6. Plágio com base na fonte

O plágio com base na fonte pode acontecer quando as informações ou ideias utilizadas a partir de fontes específicas não têm exatamente a forma correcta de atribuição.

Por exemplo, um escritor pode referenciar corretamente a sua fonte principal, mas não atribui o devido crédito às outras fontes de onde provém a fonte principal.

Outros exemplos podem incluir citar uma fonte incorrecta ou mesmo inventar as suas próprias fontes.

Isto pode ser difícil de detetar porque o conteúdo plagiado é normalmente integrado sem problemas no trabalho do escritor, tornando difícil identificar todas as fontes.

No entanto, este tipo de plágio pode ocorrer tanto deliberadamente como por engano.

Para evitar isto, familiariza-te com os estilos de citação correctos e certifica-te de que citas sempre todas as tuas fontes. Tem cuidado também quando parafraseares.

Certifica-te de que compreendes bem a ideia ou o conceito em que te estás a inspirar antes de o dizeres por palavras tuas.

7. Plágio acidental

Toda a gente comete erros, mas o plágio acidental pode custar caro. Isto pode acontecer quando um escritor utiliza o trabalho de outra pessoa sem saber, o que resulta no facto de não lhe atribuir o devido crédito.

Os exemplos mais comuns são os seguintes:

  • Esquece-se de incluir citações de citações directas ou de textos parafraseados.
  • Não utilizar aspas nas citações directas.
  • Não te lembrares de citar a fonte original da tua ideia.

Para evitares plagiar acidentalmente o trabalho de alguém, verifica sempre as tuas citações e certifica-te de que todos os materiais que pedes emprestado e nos quais te inspiras são reconhecidos.

Bónus: Plágio de IA

Atualmente, toda a gente utiliza algum tipo de inteligência artificial no seu dia a dia, pelo que muitas pessoas também confiam nela para gerar conteúdos melhores e mais eficientes.

O plágio de IA refere-se ao ato de utilizar ferramentas de IA como ChatGPT para ajudar na produção de conteúdos sem o devido reconhecimento.

À medida que a tecnologia avança, especialmente com o processamento de linguagem natural (PNL), está a tornar-se mais comum utilizar modelos de IA para ajudar a criar materiais escritos rápidos.

Mas esta comodidade também traz consigo o risco de plágio.

Sem uma utilização adequada, as ferramentas de IA também podem produzir conteúdo sem creditar as suas próprias fontes, por isso é importante ter cuidado e utilizar a IA como a tua ferramenta e não como o teu escritor.

Em resposta ao aumento do plágio por IA, muitas instituições estão a implementar políticas para controlar a utilização da IA.

Mais de metade dos estudantes referem que as suas escolas têm agora algum tipo de política que aborda especificamente a utilização de ferramentas de IA na realização de trabalhos.

Embora as ferramentas de IA ofereçam muitas possibilidades de aumentar a produtividade e a criatividade, é essencial utilizá-las de forma responsável e ética.

Como evitar o plágio no teu trabalho

Tens de dar prioridade a evitar o plágio porque pode afetar a tua integridade profissional. Embora possa parecer intimidante, pode ser feito muito mais facilmente do que pensas.

Uma das formas mais eficazes de evitar o plágio é citar sempre as tuas fontes.

Quer estejas a citar diretamente, a parafrasear ou a resumir as ideias de outra pessoa, certifica-te sempre de que fazes a devida referência.

Outra forma de evitar o plágio é ter um conhecimento profundo das ideias que te inspiram. Com isto, podes citar a fonte e, depois, reforçar o conceito no teu trabalho.

Não tenhas medo de dar uma perspetiva única ao criar conteúdo; é isso que torna o teu trabalho distintamente teu.

Deves ter em conta que as ferramentas de IA podem cometer erros e plagiar texto, por isso utiliza a ferramenta Undetectable AI's detetor de plágio para fazeres o trabalho.

Como evitar o plágio no teu trabalho

A utilização de um detetor de IA simplifica o processo de procura das tuas fontes e garante que o teu trabalho é original.

E, embora possas definitivamente utilizar a IA para obter ideias quando crias um trabalho original, ainda podes ser sinalizado como conteúdo gerado por IA.

Certifica-te de que usas IA's indetectáveis detetor avançado de IA para encontrares facilmente os textos que estão assinalados com conteúdo de IA.

Detetor avançado de IA da Undetectable AI

Em seguida, podes utilizar a nossa ferramenta para humanizar o texto, fazendo-o corresponder à qualidade da escrita humana real.

Conclusão

É importante compreender os diferentes tipos de plágio, porque as fontes de que te abasteces devem ser respeitadas.

Quer sejas estudante, investigador ou profissional, estar atento ajuda-te a manter a honestidade, a originalidade e o respeito pela propriedade intelectual do teu trabalho.

Utiliza também, de forma responsável, ferramentas como IA indetetávelCom a ajuda de um software de IA, podes aumentar ainda mais a autenticidade da tua escrita e integrar perfeitamente o poder da IA - tudo isto mantendo a ética.

No final, podes passar o teu trabalho com toda a confiança.

IA indetetável (TM)